DOSSIÊ

Megaeventos e Violações de Direitos Humanos no Brasil

mega.JPG

O povo brasileiro, como todos os povos do mundo, pratica e ama os esportes. Talvez mais que outros povos do mundo, os brasileiros têm grande paixão pelo futebol. Como também amam suas cidades e recebem com grande hospitalidade e alegria aqueles que, de todas as partes do mundo, vêm nos visitar e conhecer nossa riqueza cultural, nossa música, nosso patrimônio histórico, nossa extraordinária diversidade ambiental, nossas alegrias e também nossas mazelas – a maior das quais é a dramática injustiça social e ambiental que constitui lamentável marca da história e da realidade atual deste imenso país.

Um Dossiê sobre a Copa do Mundo 2014, que será sediada por 12 cidades brasileiras, e sobre as Olimpíadas 2016, que se realizarão na cidade do Rio de Janeiro, deveria ter como tema central a prática do esporte, das relações pacífi cas, culturais e esportivas entre todos os povos do planeta Terra. Deveria falar da alegria de termos sido escolhidos para sediar estes dois grandes eventos.

Mas não é disso que trata este Dossiê. Preparado pela Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa, ele fala do lado obscuro destes megaeventos. Ele fala das 170 mil pessoas, segundo estimativas conservadoras, cujo direito à moradia está sendo violado ou ameaçado. Ele fala de milhões de cidadãos a quem o direito à informação e à participação nos processos decisórios tem sido atropelado pelas autoridades constituídas, assim como por entidades privadas (Comitê Olímpico Internacional, Comitê Olímpico Brasileiro, comitês organizadores locais dos eventos) e grandes corporações, a quem os governos vêm delegando responsabilidades públicas. Ele fala de desrespeito sistemático à legislação e aos direitos ambientais, aos direitos trabalhistas e ao direito ao trabalho, aos direitos do consumidor.

CLIQUE PARA BAIXAR O DOSSIÊ E FAZER A LEITURA COMPLETA.

DOSSIE-MEGAEVENTOS-COPA2014.pdf
(4,81 Mb)

Conteúdo relacionado

Organizações lançam estudos sobre as atuais ameaças ao bioma Pantanal
Usina Teles Pires: Justiça ordena parar e governo federal libera operação, com base em suspensão de segurança
Dossiê Abrasco: o grito contra o silêncio opressivo do agronegócio.
Encíclica papal aborda desigualdades na agricultura
Rio de Mato Grosso ganha data comemorativa
Covid-19: Porto Esperidião tem mais de 60% de óbitos de indígenas chiquitanos
Três problemas graves no Projeto de Lei aprovado pela Assembléia Legislativa de MT!
ALERTA SOBRE PL 17/2020 EM MT
Formad faz doação de alimentos durante a Covid-19
MAIS UMA CHACINA ANUNCIADA EM MATO GROSSO
Ações do estado de MT contra territórios tradicionais são derrubadas no STF. Quilombolas e indígenas manifestam-se em Brasília e em Cuiabá.
O Brasil é quilombola! Nenhum quilombo a menos!
Nossa história não começa em 1988! Marco Temporal não!
Indígenas da Bacia do Teles Pires se mobilizam, em Brasília, por seus direitos frente a empreendimentos hidrelétricos
Formad recomenda modelos de regularização ambiental adaptados à realidade da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais.
Regularização ambiental da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais no centro do debate
China e Rússia proíbem produção de transgênicos em seus territóriosNota de repúdio e denúncia ao assassinato de lideranças do campo em MT
Pantanal por inteiro, não pela metade
ICMS Ecológico: O potencial de um imposto