Mulheres da terra

MULHER: SEMENTE DE VIDA E RESISTÊNCIA

De Porto Alegre do Norte, MT
As Mulheres da Comissão Pastoral da Terra do Mato Grosso realizam nos dias 28 a 30 de maio, em Porto Alegre do Norte, o segundo Intercâmbio Estadual de Mulheres.

CARTA DO II INTERCÂMBIO ESTADUAL DE MULHERES DA CPT/MT

Nós, Mulheres de todos os cantos de Mato Grosso, aqui nos reunimos e seguimos fazendo história.

Nós, mulheres de Mato Grosso, acompanhadas pela Comissão Pastoral da Terra, das diversas regiões desse Estado, nos reunimos em Porte Alegre do Norte, de 28 a 30 de maio do ano em curso, para partilhar nossas experiências, refletir, anunciar e denunciar a realidade que vivemos. Estamos aqui e, através dessa carta, queremos dizer o que nos aflige e também o que nos anima.

Denunciamos a violência praticada contra nossos corpos e mentes que é fruto do machismo e do ainda persistente poder patriarcal, que continua vendo a mulher como objeto e propriedade, também do companheiro. É a mesma violência que se comete contra a Mãe Terra, explorada, desnudada e envenenada pelo poder do agronegócio.

Repudiamos a imposição de um modelo de desenvolvimento de morte, que privilegia a concentração da propriedade, a exploração dos recursos naturais por modelos não sustentáveis de geração de energia e de mineração, para a implementação de “grandes empreendimentos”, que expulsam populações camponesas, indígenas, comunidades tradicionais e quilombolas.

Repudiamos a ação do Estado brasileiro que privilegia esse modelo de morte.

Reafirmamos que a luta e a coragem das mulheres mato-grossenses, que são sementes de vida e resistência, não dará trégua no combate às forças de morte.

Sonhamos com uma sociedade igualitária e humana, onde todas sejamos respeitadas e valorizadas em nossa autonomia, liberdade, diversidade e organização para superação das injustiças.

Queremos juntas lutar pela implementação de políticas públicas para as mulheres do campo, da cidade, das águas, do cerrado e da floresta, que respeitem nossos direitos de organização, nossa diversidade cultural, nosso jeito de ser mulher.

Celebramos nossa fé, nos alegramos e renovamos nosso compromisso na luta pela Terra, pela educação pública de qualidade, pelo atendimento integral à saúde, por moradia digna, pelo fortalecimento da agricultura familiar, pela produção agroecológica, enfim pela igualdade de direitos e vida digna para as mulheres e homens.


Porto Alegre do Norte/MT, 30 de maio de 2015.

Conteúdo relacionado

Ações do estado de MT contra territórios tradicionais são derrubadas no STF. Quilombolas e indígenas manifestam-se em Brasília e em Cuiabá.
A parte que nos cabe neste latifúndio
ActionAid e FASE lançam estudo sobre avanço da rota de exportação para a China no Tapajós
MAIS UMA CHACINA ANUNCIADA EM MATO GROSSO
As diferentes facetas do retrato da violência no campo em Mato Grosso
Modelo de regularização fundiária não inclui pequeno produtor, diz fórum
V Mostra socioambiental do Araguaia "Nós somos terra"
Indígenas da Bacia do Teles Pires se mobilizam, em Brasília, por seus direitos frente a empreendimentos hidrelétricos
Formad recomenda modelos de regularização ambiental adaptados à realidade da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais.
Dois casos sérios de agrocombustiveis
Organizações lançam propostas socioambientais para a agenda política de Mato Grosso
Organizações lançam estudos sobre as atuais ameaças ao bioma Pantanal
Dia 3 de dezembro: Mato Grosso vai às ruas exigir o fim do uso de agrotóxicos!
Usina Teles Pires: Justiça ordena parar e governo federal libera operação, com base em suspensão de segurança
Organizações lançam nota em apoio à operação "Terra Prometida" em Mato Grosso
03 de dezembro: Ato contra o uso de agrotóxicos em Cuiabá
Dossiê Abrasco: o grito contra o silêncio opressivo do agronegócio.
Encíclica papal aborda desigualdades na agricultura
Dossiê sobre agrotóxicos será lançado em Cuiabá e Rondonópolis
Pantanal por inteiro, não pela metade