Nota de repúdio e denúncia ao assassinato de lideranças do campo em MT

A Comissão Pastoral da Terra, regional Mato Grosso, o Movimento Sem Terra - MST e demais entidades abaixo assinadas, repudiam e denunciam os 03 assassinatos de lideranças do campo no estado de Mato Grosso acontecidos todos na mesma semana.

O primeiro assassinato, de dona Maria Lúcia, sindicalista, aconteceu no dia 13 de agosto, quarta-feira, no município de União do Sul, Gleba Macaco, Assentamento Nova Conquista II, área reconhecida legalmente como Terras da União. Neste caso, as ameaças foram denunciadas na Ouvidoria Agrária Nacional e foram testemunhadas, inclusive, por oficiais de justiça. O crime foi cometido dentro do assentamento.

Os outros assassinatos aconteceram no dia 16, sábado, no Distrito de Guariba, no Município de Colniza. As vítimas foram Josias Paulino de Castro, presidente da Associação de Produtores Rurais Nova União (ASPRONU), de 54 anos, e sua esposa, Ireni da Silva Castro, 35 anos.

Ainda no início do mês de agosto, aconteceu em Cuiabá uma Audiência com a Ouvidoria Agrária Nacional para tratar, dentre outros assuntos, do conflito de terra em Guariba, na qual participaram o desembargador Gercino José da Silva Filho, o representante da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o Presidente do Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), o Comandante da Companhia da Polícia Militar de Colniza, representantes do Instituto Brasileiro de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Ministério Público Federal (MPF), da Secretaria de Justiça de Estado e outras representações.

A reunião (pode ser vista no link) demonstrou a tensão que o momento representava. Nesta, Josias denunciou aberta e corajosamente a grave situação de conflito agrário que perpetua na região. Dentre as suas denúncias acusa a inoperância e o descaso do Intermat, a grilagem de grandes áreas de terras públicas promovida por fazendeiros inescrupulosos, a expedição de títulos irregulares pelo Estado, extração ilegal de madeira, envolvimento de alguns políticos do Estado e o suposto favorecimento a ilegalidade na região pela Polícia Militar. Neste ponto, é preciso ressaltar que, conforme noticiado pela imprensa, a arma utilizada no crime do casal era de uso restrito, portanto, somente poderia estar sendo utilizada, com a devida autorização, pelos órgãos de segurança do Estado.

Afirmamos que, inequivocadamente, os 03 assassinatos foram execução de lideranças que lutavam pelo direito à terra e, por isso, denunciavam a corrupção e a violência que o povo sofre, com a omissão e conivência do estado de Mato Grosso e a União, através dos seus órgãos competentes.

Lamentavelmente reafirmamos que estes assassinatos não são fatos casuais num estado que vem promovendo insistentemente a concentração de terra e a violência programada, para perpetuar o privilégio de uns poucos que detêm o poder político e econômico, em detrimento de uma maioria de trabalhadores e trabalhadoras rurais.

Cabe destacar também que muitas mortes estão sendo anunciadas pelo número de ameaças que cresce exponencialmente nas zonas rurais do estado. Somente no ano de 2013 foram 27 pessoas ameaçadas no campo, 21 em 2012 e 10 em 2011.

Portanto, com essa estrutura e a impunidade recorrente podemos afirmar que nos encontramos numa situação de barbárie social.

A Maria Lucia, o Josias e a Ireni foram assassinados dias depois de apresentarem a grave situação em que vivenciavam as diversas famílias no campo. As denúncias junto á Ouvidoria Agrária e a respectiva Audiência, além de não resolverem a situação, acirrou ainda mais o conflito, demonstrando a incompetência e o descaso com a vida das pessoas. A luta e a coragem para diminuir as injustiças significou morte. Será que a impunidade também prevalecerá nestes casos?

Exigimos apuração imediata e julgamento dos crimes, assim como a solução dos conflitos nos quais estavam envolvidos os/as assassinados.

Indignados/as nos solidarizamos com as famílias das vítimas e todas as demais que continuam sofridas e esperançosas em tempos novos.

Maria Lucia, Josias e Ireni jamais serão esquecidas/o, porque se tornaram sementes de Vida e de Coragem, regadas pelo sangue inocente derramado injustamente.

Cuiabá-MT, 19 de agosto de 2014.

Assinam:

Associação dos Docentes da Unemat - Adunemat

Centro Burnier Fé e Justiça -  CBFJ

Centro de Direitos Humanos Dom Máximo Biennès

Centro de Direitos Humanos Henrique Trindade – CDHHT

Centro de Referência em Direitos Humanos - CRDH Unemat/Cáceres

Comissão Pastoral da Terra – CPT MT

Conselho Indigenista Missionário - CIMI

Escritório de Direitos Humanos da Prelazia de São Félix do Araguaia

Federação de órgãos pra Assistência Social e Educacional - Programa Mato Grosso - FASE

Fórum de Direitos Humanos e da Terra Mato Grosso - FDHT

Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento - FORMAD

Federação de órgãos pra Assistência Social e Educacional - Programa Mato Grosso – FASE

Grupo de Trabalho de Mobilização Social (GTMS-MT)

Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte - GEPEA

Grupo Raízes

Instituto Caracol – IC

Instituto Centro de Vida - ICV

Instituto Humana Raça Fêmina - INHURAFE

Instituto Gaia - IG

Movimento RUA - Juventude Anticapitalista

Movimento dos Trabalhadores Acampados e Assentados - MTA

Movimento 13 de Outubro

Movimento dos Sem Terras - MST

Movimento dos Trabalhadores sem Terra - MTS

Movimento UNITÀRIO do Estado de Mato Grosso – Por Terra, Território e Dignidade!

Rede Mato-grossense de Educação Ambiental – Remtea

Sociedade Fé e Vida

Conteúdo relacionado

Organizações lançam estudos sobre as atuais ameaças ao bioma Pantanal
Usina Teles Pires: Justiça ordena parar e governo federal libera operação, com base em suspensão de segurança
Dossiê Abrasco: o grito contra o silêncio opressivo do agronegócio.
Encíclica papal aborda desigualdades na agricultura
Rio de Mato Grosso ganha data comemorativa
Covid-19: Porto Esperidião tem mais de 60% de óbitos de indígenas chiquitanos
Três problemas graves no Projeto de Lei aprovado pela Assembléia Legislativa de MT!
ALERTA SOBRE PL 17/2020 EM MT
Formad faz doação de alimentos durante a Covid-19
MAIS UMA CHACINA ANUNCIADA EM MATO GROSSO
Ações do estado de MT contra territórios tradicionais são derrubadas no STF. Quilombolas e indígenas manifestam-se em Brasília e em Cuiabá.
O Brasil é quilombola! Nenhum quilombo a menos!
Nossa história não começa em 1988! Marco Temporal não!
Indígenas da Bacia do Teles Pires se mobilizam, em Brasília, por seus direitos frente a empreendimentos hidrelétricos
Formad recomenda modelos de regularização ambiental adaptados à realidade da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais.
Regularização ambiental da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais no centro do debate
China e Rússia proíbem produção de transgênicos em seus territórios
Pantanal por inteiro, não pela metade
ICMS Ecológico: O potencial de um imposto
Dois casos sérios de agrocombustiveis