NOTA PÚBLICA

ALERTA SOBRE PL 17/2020 EM MT

Por: Secretaria Executiva Formad
De Cuiabá
nota-publica-pelo-arquivamento-do-plc-17-2020-em-mato-grosso.pdf
(127,14 Kb)
ofcio-pr-mt-opict-n.-1618.pdf
(105,14 Kb)
nota-tcnica-pl-17-2020-final1-1-.pdf
(1,04 Mb)

Mapa.png

O Projeto de Lei Complementar (PLC n º 17/2020) de autoria do governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, que tramita desde abril deste ano, já traz impactos negativos para os povos indígenas de Mato Grosso que vêm convivendo com ameaças de invasões de terras em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Esse é o caso de dois territórios que, somados, têm pelo menos 107 imóveis sobrepostos. Nesses territórios os confrontos entre populações indígenas e fazendeiros já foram notificados. Ressalte-se o fato de que o projeto em questão sequer trata do SIMCAR, conforme apresentado no Art. 22, § 1º e 2º, em substitutivo integral, e, portanto, não diminui as ameaças.

Conforme mensagem encaminhada dia 13 de maio pelo Ministério Público Federal, esse Projeto de Lei fere a ordem constitucional brasileira e deve aumentar não apenas a insegurança jurídica dos Territórios Indígenas de Mato Grosso como também dos imóveis rurais do nosso estado. Nesse sentido, a decisão judicial suspendendo a Instrução Normativa nº 9 da FUNAI já confere precedente jurisprudencial que demonstra a severa insegurança jurídica a que ficarão expostos aqueles que pleitearem regularização fundiária com base neste PLC, intimamente inspirado na IN09.

Além de representar ameaça direta aos Povos Indígenas, o texto coloca um selo de invasores de terras na produção de commodities de Mato Grosso em um momento onde ameaças de boicotes à produção brasileira estão se multiplicando. Finalmente as medidas propostas estão em desacordo com os compromissos assumidos pelo Estado em diversos fóruns internacionais como a estratégia Produzir, Conservar e Incluir (PCI) lançada na COP21 em 2015, o Programa REM/MT firmado em 2017 ou as próprias condicionantes ambientais do empréstimo concedido pelo Banco Mundial em 2019.

Quando questionado sobre a pertinência deste Projeto de Lei e sobre a urgência de tê-lo debatido num tempo de isolamento social, o governo estadual respondeu que essas medidas devem ajudá-lo a melhor fiscalizar o desmatamento nas Terras Indígenas. Essa afirmação não é real porque o desmatamento em Terras Indígenas responde hoje por 1,1% do desmatamento total em Mato Grosso, além disso, a fiscalização em terras indígenas é de competência federal.

O momento de pandemia pelo qual o Brasil está passando não permite realizar um processo de consulta livre e previamente informada com os 43 povos indígenas de Mato Grosso, conforme demandado pela Convenção 169 da OIT. A exemplo disso podemos citar a forma como se construiu o componente indígena no Programa REM que trará enormes benefícios para o estado e para os indígenas, caso os índices de desmatamentos não evoluam. Acompanhamos de perto a construção dessa proposta que poderá garantir, por exemplo, a absorção da produção florestal aos indígenas com preço justo. Em resumo, o PLC 17/2020 destoa do que se entende por Desenvolvimento Sustentável já que não é economicamente eficiente, socialmente justo e ecologicamente equilibrado.

Secretaria Executiva do Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento - Formad

Conteúdo relacionado

Organizações lançam estudos sobre as atuais ameaças ao bioma Pantanal
Usina Teles Pires: Justiça ordena parar e governo federal libera operação, com base em suspensão de segurança
Dossiê Abrasco: o grito contra o silêncio opressivo do agronegócio.
Encíclica papal aborda desigualdades na agricultura
Rio de Mato Grosso ganha data comemorativa
Covid-19: Porto Esperidião tem mais de 60% de óbitos de indígenas chiquitanos
Três problemas graves no Projeto de Lei aprovado pela Assembléia Legislativa de MT!
Formad faz doação de alimentos durante a Covid-19
MAIS UMA CHACINA ANUNCIADA EM MATO GROSSO
Ações do estado de MT contra territórios tradicionais são derrubadas no STF. Quilombolas e indígenas manifestam-se em Brasília e em Cuiabá.
O Brasil é quilombola! Nenhum quilombo a menos!
Nossa história não começa em 1988! Marco Temporal não!
Indígenas da Bacia do Teles Pires se mobilizam, em Brasília, por seus direitos frente a empreendimentos hidrelétricos
Formad recomenda modelos de regularização ambiental adaptados à realidade da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais.
Regularização ambiental da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais no centro do debateChina e Rússia proíbem produção de transgênicos em seus territórios
Nota de repúdio e denúncia ao assassinato de lideranças do campo em MT
Pantanal por inteiro, não pela metade
ICMS Ecológico: O potencial de um imposto
Dois casos sérios de agrocombustiveis